IMPRENSA

notícias

28/11/2018

Hospital Aliança incentiva inclusão de funcionários PcDs

Imagine chegar ao trabalho, passar pelos corredores e ninguém falar com você. Era assim que o funcionário Charles Pereira pensava que poderia ser o seu primeiro dia de trabalho no Hospital Aliança. Mas não foi isso que aconteceu. “Eu fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que me deram bom dia em Libras”, afirmou o funcionário, que é surdo. De fato, o Hospital Aliança trabalha a inclusão com dedicação. “O diferencial do Aliança é que ele não quer cumprir a legislação que prevê cotas para Pessoas com Deficiência (PcDs) só por cumprir. Nós trabalhamos para realmente incluir estes profissionais”, ressalta a analista de RH responsável pelo projeto, Paula Aquino.

 

No total, o Aliança possui 62 funcionários PcDs e trabalha para a contratação de mais. “Nós fazemos campanhas para receber candidatos PcDs tanto por indicação de funcionário quanto pelo cadastro no site. O objetivo é dar oportunidade a essas pessoas que, muitas vezes, têm dificuldade de entrar em uma empresa de grande porte, como é o Hospital Aliança”, ressalta a coordenadora do Serviço de Desenvolvimento de Pessoas do HA, Cristina Soares. Para cadastrar o seu currículo, clique aqui.

 

Funcionários Surdos
Em conversa com os funcionários surdos, Charles Pereira e Ivo Santos, com ajuda da tradução das funcionárias Paula Aquino e da líder da rouparia, Gerseire Nunes, os dois confessam que se sentem bem no hospital. “O clima é leve para trabalhar”, disse Charles, que iniciou em junho de 2018. “É muito bom ter outros colegas surdos”, afirmou Ivo Santos, contratado em setembro.

 

Acolhimento é fruto do trabalho
O bom acolhimento aos PcDs surdos é fruto de um trabalho de sensibilização feito pelo HA. A equipe de RH e o Serviço de Higienização Hospitalar, que acolheu os surdos, promoveram encontro entre todos os funcionários da Higienização para dar orientações em relação à cultura da comunidade surda, além de capacitar 40 funcionários no ensino de libras. “Eles sabem que nós estamos fazendo cursos e gostam bastante. O Ivo, especialmente, gosta que a gente se comunique certo. Fica esperando a gente acertar os sinais”, conta, sorrindo, a funcionária Gerseire Nunes. Outra que faz elogios aos surdos é a Coordenadora da Higienização, Cláudia Novaes. “O que eu gosto neles é o nível de concentração e organização nas tarefas. Eles são focados no que estão executando”, ressaltou a coordenadora.