IMPRENSA

notícias

15/05/2019

Os benefícios do álcool gel no combate às infecções hospitalares

Em nossas mãos, transitam todos os dias, diversos tipos de vírus e bactérias. A cada lugar que vamos, a cada porta que abrimos, a cada toque em outra pessoa, as nossas mãos podem ser veículos de transmissão de bactérias e vírus que podem causar graves infecções . Para combater estas infecções, um grande aliado é o álcool gel, que pode reduzir em até 70% os casos de infecção hospitalar segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

“O álcool gel é a solução mais recomendada para a higienização das mãos atualmente porque ele tem uma ação bastante ampla no que diz respeito a eliminar micro-organismos que colonizam ou que transitam nas mãos. Ele mata as bactérias, vírus e fungos”, afirma a infectologista e coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SECIH) do Hospital Aliança, Dra. Áurea Angélica Paste.

 

Os benefícios do álcool gel são sentidos também em comparação a água e sabão. O tempo para higienização das mãos com álcool gel é menor (mínimo de 20 a 30 segundos) do que a higienização com água e sabão (mínimo de 40 a 60 segundos) e não causa ressecamento ou lacerações nas mãos como é possível ocorrer com água e sabão. Porém, Dra. Áurea explica que a lavagem de mãos também é importante. “Se houver sujidade visível nas mãos, se estiver cuidando de paciente com colite pseudomembranosa e, ao chegar ao trabalho, o ideal é lavar as mãos com água e sabão”, explica.

 

Vale ressaltar que, para uma adequada higienização das mãos, é importante que não se utilize qualquer adorno nas mãos (anéis, relógios e pulseiras) porque estes itens podem servir de esconderijo para as bactérias e vírus. “As sujidades podem se acumular, por exemplo, na parte de dentro de um anel, mantendo-se como um foco de contaminação”, alerta Dra. Áurea.

 

Mundo sem Infecções?
Apesar de ser bastante eficaz para o controle de infecções hospitalares, não é possível afirmar que, se a adesão a higiene de mãos fosse de 100%, as infecções hospitalares no mundo seriam extintas. Segundo Dra. Áurea, a infecção hospitalar é multifatorial. “Muitas vezes, a bactéria que coloniza o paciente é a causa da infecção. Por isso, não dá para relacionar unicamente com a higiene de mãos. O que não nos tira o compromisso de, enquanto profissionais de saúde, familiares e pacientes, estarmos atentos à adesão de Higiene das Mãos para redução dos números da infecção”, finalizou.

 

Quer saber a forma correta de higienizar as mãos? Confira aqui: