IMPRENSA

notícias

19/07/2018

Os riscos do descarte incorreto de medicamentos

Em um hospital, o uso de medicamentos é uma rotina. Por isso, o volume de resíduos gerados merece atenção especial uma vez que o descarte incorreto pode causar diversos danos ao meio ambiente através da contaminação dos solos, da água e também dos animais, podendo afetar diretamente a nossa saúde.

 

 

Atento a esses riscos, o Hospital Aliança possui uma política de gestão de resíduos em consonância com um dos objetivos estratégicos do planejamento que é de consolidar práticas socioambientais sustentáveis.” Os funcionários do Hospital Aliança estão orientados a descartarem os resíduos químicos perfurocortantes em caixas  laranja e os que não são perfurocortantes em sacos laranja  específicos para esse fim, afirma a Técnica do Meio Ambiente do Aliança, Nadjane Campos.

 

 

Estrategicamente o Hospital possui lixeiras e/ou caixas de perfurocortantes em  todas as unidades geradoras desse resíduo, evitando que  sejam descartados indevidamente em lixeiras de  resíduo comum. Além dos funcionários, os pacientes e familiares também estão sendo envolvidos   nesse trabalho de conscientização que ultrapassa os limites do Hospital. Uma prática ainda muito comum é o armazenamento da sobra de medicamentos em casa, já que muitos não sabem como e onde fazer o descarte correto. Mas o Coordenador do Serviço de Farmácia do Hospital Aliança, Armando Ribeiro, faz um alerta.

 

 

“Só pode ser armazenado em casa, o medicamento que não é de uso restrito hospitalar e levando em consideração algumas questões: se forem em comprimidos ou cápsulas com blister unitarizado, é valido até a data impressa na embalagem; se o medicamento for retirado do blister ou no caso de soluções, xaropes e pomadas, a recomendação para garantir a integridade destes medicamentos é que a validade corresponda a 1/4 da validade original impressa na embalagem”, explica.

 

 

Dicas: