IMPRENSA

notícias

31/10/2018

Pacientes e familiares participam de evento sobre sinais e sintomas do AVC

Somente no primeiro semestre de 2018, a Bahia registrou mais de cinco mil internações por Acidente Vascular Cerebral (AVC) das 20 mil registradas na região Nordeste. O número crescente dos casos, associado à necessidade de rapidez para um tratamento bem sucedido, motivou O Hospital Aliança a realizar o evento Acidente Vascular Cerebral (AVC): Sinais de alerta e prevenção. O encontro para pacientes atendidos pelo Protocolo de AVC, na última segunda-feira (29/10), no auditório do Centro Médico Aliança, também marcou a comemoração do Dia Mundial de Combate ao AVC.

 

“Este evento é uma oportunidade para trazer mais conhecimento aos nossos pacientes e familiares sobre o AVC, uma doença super impactante para a população com uma alta taxa de complicação quando não tratada adequadamente. Também é importante para eles saberem como lidar tanto com as dificuldades no pós-AVC quanto na prevenção da ocorrência neles próprios ou em amigos e familiares”, afirma o neurologista e facilitador do Protocolo de AVC no Aliança, Dr. Jamary Oliveira.

 

Protocolo de AVC no Hospital Aliança

Os resultados nos últimos meses mostram o sucesso do tratamento feito com a rapidez e eficiência após a implantação do Protocolo. De abril até hoje, foi possível reduzir pela metade o tempo para o atendimento médico, em 94% o atendimento neurológico e em mais de 60% o tempo até a primeira tomografia. “Esses números resultaram em bons desfechos clínicos. No mesmo nível dos melhores centros mundiais em termos de redução das taxas de sequelas”, afirma Dr. Jamary.

 

E um rápido atendimento é muito importante, pois cada pessoa perde até dois milhões de neurônios por minuto quando o AVC se inicia. “O Protocolo do Aliança para o AVC é como se fosse um Pit Stop na Emergência. Nós trabalhamos com a maior agilidade, cada um sabendo executar bem as suas funções”, comenta a enfermeira Mayara Santos.

 

E esse trabalho ágil foi reconhecido pelos pacientes e acompanhantes durante o evento. “Eu fui atendida com muita rapidez quando tive o AVC. Fiquei dois ou três dias internada e depois saí boa. Nunca mais tive nada. Agora, eu vivo descansando, deitada na rede e na cama, cuidando da alimentação, e fazendo pequenas caminhadas no jardim, molhando as plantas”, ressaltou a paciente Pompéia Lima, atendida em maio deste ano.

 

As filhas da paciente Doracy Sampaio, Márcia e Mab Sampaio, agradeceram a rapidez da equipe de Neurologia. “Minha mãe teve um AVC grave, mas a recuperação foi surpreendente. Ao dar entrada aqui no Aliança, foi feita a tomografia, ressonância, e o atendimento do neurologista foi muito rápido”. Foi tudo muito imediato. A gente brinca que estávamos dentro de um filme americano. Com 48 horas de AVC, ela já estava lúcida e sem nenhuma sequela. No terceiro dia, ela já estava no corredor caminhando. Foi incrível”.