IMPRENSA

notícias

31/05/2019

Tabagismo é doença. Olhar do familiar deve ser de apoio ao fim da dependência

Hoje (31/05) é lembrado o Dia Mundial contra o Tabagismo. A doença causa o óbito de sete milhões de pessoas a cada ano: pouco mais de seis milhões morrem por tabagismo ativo e 890 mil por tabagismo passivo – aquele que compartilha o mesmo ambiente do fumante ativo -, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Porém, muitas pessoas ainda possuem o preconceito com o fumante, o que não ajuda no combate à doença. Segundo a pneumologista do Hospital Aliança, Margarida Neves, o tabagismo é internacionalmente classificado como doença. “Na falta da nicotina (substância presente no cigarro), o cérebro de um fumante libera substâncias químicas responsáveis pelo mal-estar, desconforto, agitação e taquicardia que os fumantes sentem ao tentar cessar o tabagismo. Isto é a dependência química”.

 

Para vencer a dependência, a médica listou algumas atitudes positivas de familiares e amigos:

 

1)      Estimular, de forma amigável, o fumante a parar de fumar;

2)      Ter uma escuta qualificada sobre o processo de cessação do fumante;

3)      Incentivá-lo a combater o estresse através de atividades físicas e de lazer;

4)      Estimular a convivência com um ex-fumante;

5)      Buscar apoio médico (muitas vezes, será preciso um suporte psicoterápico e farmacológico);

6)      Evitar expor o fumante a situações que estimulam o fumo;

7)      Evitar bebidas que estimulam o fumo como o álcool e o café;

 

Uma das principais causas de morte relacionadas ao cigarro é o câncer de pulmão. No total, 71% das mortes por câncer de pulmão são atribuídas ao tabagismo. Mas os danos vão muito além desse órgão. “ A fumaça do cigarro, resultante da queima do tabaco, atinge vias aéreas, artérias e mucosa oral diretamente. Indiretamente, é fator de risco para câncer de boca, laringe, esôfago, estômago, bexiga e pele. É responsável por um número elevado de amputações, é a principal causa de uma doença chamada DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) e pode causar a impotência sexual, aneurismas e infarto do coração”, ressalta a médica.

 

Por tudo isso, é necessário e urgente o apoio para que o fumante consiga superar a doença. Os benefícios de largar o cigarro, a qualquer tempo, são rapidamente sentidos como a melhora na capacidade cardiorrespiratória, no desempenho sexual, na dentição, no cuidado com a boca e melhora na autoestima, com redução de problemas respiratórios e infecção.